Home Empresa Cliente Net Eventos Boletim Trabalhe Conosco Clipping Links SAC
Resenha Médica 
 
Tabelas Prática 
 
Agenda de Obrigações 
 
Legislação 
 
Consulte Empresa 
 
Notícias 
 
Contato 
 
Terceiro Setor 
 
Destaques 
 



Investimento federal em saúde deverá cair novamente em 2017

Haverá menos dinheiro para a saúde em 2017. Como primeiro ato após ser empossado, o presidente Michel Temer encaminhou ao Congresso sua proposta de Orçamento para 2017. O valor de recursos para a saúde deverá cair - o governo prevê inflação de 7,2% neste ano, e o documento propõe reajuste abaixo disso, de 6,9%. O valor destinado à saúde deverá pular dos R$ 112 bilhões previstos em 2016 para R$ 120 bilhões. Apesar do aumento em termos absolutos, essa projeção levaria a um corte de recursos.

 

Com o anúncio, o gasto federal com saúde acumulará três anos consecutivos de queda. Em 2015, apesar de o Orçamento ser maior, gastou-se menos com a área que em 2014 - R$ 106 bilhões em comparação aos R$ 108 bilhões do ano anterior. Espera-se que o mesmo aconteça em 2016. Em fevereiro, o governo bloqueou R$ 2,5 bilhões do orçamento destinado para a saúde, como forma de controlar os gastos da União. O valor já era menor que o programado para o ano anterior - em 2015, o governo previra gastos de até R$ 121 bilhões (e gastou R$ 106 bilhões).

 

O encolhimento do PIB, que ocorreu em 2015 e se repetirá em 2016, não facilita explicar o recuo, porque o gasto com saúde no Brasil em relação ao tamanho da economia já é menor que o ideal e inferior ao de alguns países em desenvolvimento.

 

O  gasto público com saúde, no Brasil, é de responsabilidade das três esferas de governo - da União, dos estados e dos municípios. Em 2014, essas três esferas, juntas, investiram em saúde o equivalente a 3,8% do PIB. Essa taxa de investimento posiciona o Brasil na rabeira de outros países da América Latina, como Colômbia e Equador - neles, o investimento público em saúde correspondeu, respectivamente, a 5,4% e 4,5% do PIB em 2014. O investimento público brasileiro também fica aquém daquele feito por países onde existem sistemas de saúde universais semelhantes ao do Brasil. O sistema brasileiro recebe menos investimentos que o da França e do Reino Unido.

 

A tendência de cortes preocupa. A Constituição brasileira garante que todo cidadão tem direito à saúde. Por isso o Brasil conta com um sistema de saúde público e universal. Mas os recursos públicos destinados à área vêm sendo insuficientes para cumprir a promessa constitucional (também porque, graças à tendência da judicialização, cidadãos com bons advogados conseguem obrigar o SUS a bancar tratamentos caros).

 

Em 2014, segundo os dados mais recentes da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil gastou US$ 947,40 para custear a saúde de cada cidadão durante o ano todo. Menos da metade desse valor - 46% - foi financiado pela esfera pública. Os outros 54% correspondem a gasto privado. "Não é o bastante para garantir saúde para todos", diz Mauro Ribeiro, vice-presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM), referindo-se ao gasto do setor público. "Historicamente, o sistema brasileiro é subfinanciado."

 

A comparação com outros países é limitada - segundo a economista especializada em saúde Maria Cristina Amorim, professora da PUC-SP, os tipos de gastos em saúde variam a cada país, porque varia o perfil epidemiológico das populações (os tipos de doenças mais comuns entre elas) e o preço pago por equipamentos médicos. Ainda assim, os cortes no Orçamento brasileiro preocupam porque a pressão sobre o sistema público de saúde deverá aumentar ao longo do próximo ano: "A taxa de desemprego aumentou", diz Maria Cristina. "Com isso, aumentou também o número de pessoas que deixou de usar planos de saúde - e que passa a recorrer ao sistema público." Até o final do ano, segundo cálculos da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), cerca de 2 milhões de brasileiros deixarão de usar a saúde suplementar - e terão de recorrer ao SUS.  Em 2017, a saúde brasileira ainda terá de lidar com problemas recorrentes - como a epidemia de dengue - e com males novos - como as epidemias de zika e chikungunya. A demanda pelo sistema público vai crescer.

 

O desafio dos governos federal, estaduais e municipais está em descobrir como equilibrar as contas públicas e incentivar o investimento complementar do setor privado. "Simplesmente não há dinheiro [nos governos]", diz o economista Paulo Furquim, coordenador do Centro de Estudos em Negócios da faculdade Insper. "A queda na saúde é relativamente menor que em outros setores, e esse é o lado cheio do copo. O lado vazio do copo é que esse montante, mesmo sendo um setor que foi menos afetado que os outros, ainda é insuficiente diante da demanda crescente por atendimento em saúde pública", afirma. Segundo Furquim, o Brasil gasta com saúde o equivalente a 10% do Orçamento da União. "Não é pouco", diz Furquim. É um percentual semelhante ao destinado por países como França e Alemanha. Ainda assim, vem se mostrando insuficiente para as necessidades da população.

 

Fonte: Bruna de Alencar e Rafael Ciscati - Época Online
Publicado em 08/09/2016

Leia mais: